top of page

Startup cria equipamento que produz filmes para células de perovskita

A Autocoat, incubada na Unicamp, utiliza método blade coating, com faca de nitrogênio.

  

A startup Autocoat, de Campinas, SP, desenvolveu um equipamento capaz de produzir filmes finos em escala de laboratório, a partir de materiais solúveis, com potencial de uso em pesquisas para gerar películas utilizadas na fabricação de células solares de perovskitas.


Imagem: Divulgação


O equipamento pode ainda operar na produção de biomateriais para curativos e regeneração tecidual, além de novas formas de administração de fármacos e cosméticos.

 

Abrigada na Incamp - Incubadora de Empresas de Base Tecnológica da Universidade Estadual de Campinas, a Autocoat teve seu projeto apoiado pelo Pipe - Programa Pesquisa Iniciativa em Pequenas Empresas, da Fapesp.


A base tecnológica do sistema é pelo método blade coating, por meio do qual uma lâmina é usada para depositar materiais solubilizados em solvente sobre uma superfície rígida ou flexível.


A lâmina então se move sobre a solução, espalhando-a uniformemente sobre a superfície, formando o filme fino.

 

Batizado de BCC-02, o equipamento é capaz de produzir filmes com espessuras que podem variar de 10 nanômetros — cada nanômetro corresponde a um milionésimo de milímetro — a dezenas de micrômetros, “com qualidade semelhante aos obtidos por spin coating”, disse a química Viviane Nogueira Hamanaka, sócia-fundadora da startup, referindo-se a um método de produção de microfilmes.

 

No spin coating, o material em solução é depositado no centro de uma superfície lisa enquanto ela gira em alta velocidade, de tal forma que a força centrífuga espalha a solução sobre a superfície, formando o filme fino.


“O problema é que muito do material se perde nesse processo, uma vez que a rotação o joga para fora”, explica.


“Também é difícil conseguir reproduzir as características morfológicas dos filmes produzidos por spin coating em escala industrial”, diz a pesquisadora.

 

Já o BCC-02 é mais eficiente, uma vez que usa até 20 vezes menos material solúvel, também aproveitado ao máximo na produção dos filmes finos, cujas dimensões, em geral, são de até 7 x 7 centímetros.


“Os filmes produzidos pelo equipamento apresentam ainda excelente uniformidade e alto grau de reprodutibilidade”, afirma a química.

 

Para permitir a produção de filmes com propriedades adequadas para a fabricação de células solares de perovskitas, parte dos recursos do projeto foi utilizada para equipar o dispositivo com uma faca de nitrogênio, empregada para secagem dos filmes finos.


Como são flexíveis e leves, as células podem ser usadas em objetos como cortinas, mochilas e tetos de veículos, ampliando as possibilidades de aplicação da energia fotovoltaica.


“Nosso equipamento é o único no mercado com essa faca de nitrogênio”, afirma Hamanaka.


Fonte: Fotovolt

Comments


bottom of page