top of page

Importação de módulos teve redução mínima em 2023

Números indicam avanço dos projetos de grande porte frente aos desafios do varejo.

  

As importações dos módulos fotovoltaicos em 2023 indicam estabilização no mercado de energia solar fotovoltaica após o notável crescimento de 70% em 2022, segundo levantamento da consultoria Greener.


Imagem: Divulgação


Os 17,5 GW importados no ano passado representam redução de apenas 1,7% em relação ao recorde alcançado no ano anterior.


O volume importado em 2023 pode viabilizar investimentos superiores a R$ 60 bilhões no mercado, afirma a empresa.

 

Destaca-se no levantamento a aceleração de embarques de módulos nos últimos dois meses do ano, noticiada por veículos internacionais, quando o Brasil importou da China aproximadamente 4 GW.


Uma parte desses equipamentos ainda não chegou ao Brasil e deve refletir no volume do primeiro trimestre de 2024.

 

Os números divulgados indicam crescimento da implantação dos projetos de geração centralizada (GC) viabilizados através de PPAs e contratos de autoprodução firmados entre 2020 e 2022. Já a participação da geração distribuída (GD) no volume anual importado diminuiu 10% na comparação com 2022, de 75% para 65%.


O mercado de GD absorveu em 2023 11,4 GW de módulos estrangeiros, ficando 2 GW abaixo do ano anterior.


Ainda assim foi um volume alto, devido principalmente ao aumento da demanda por projetos de geração compartilhada, para atender pequenos e médios consumidores, e de autoconsumo remoto de maior porte.


No 4º trimestre de 2023 as importações atingiram mais de 5 GW, o maior volume trimestral analisado pela série histórica da Greener, sendo cerca de 74% desse volume direcionado para GD.

 

Segundo a consultoria, as vendas no varejo (pequenas instalações residenciais e comerciais) apresentaram queda de 60% no 1º semestre de 2023, em comparação com o mesmo período de 2022.


A retração foi causada, entre outros fatores, por dificuldades de acesso ao crédito e taxas de juros elevadas.

 

No que diz respeito ao segmento de grandes usinas de GD, o “Estudo Estratégico de Geração Distribuída Remota 2023” da Greener revelou 4,2 GW de empreendimentos em operação e/ou em construção, indicando progresso em relação aos 2,3 GW de 2022.

 

O mercado de GD acrescentou mais 8 GW à capacidade total da rede, que atualmente supera a marca de 26 GW em potência instalada solar fotovoltaica distribuída.


O Brasil fechou 2023 com 2,3 milhões de sistemas fotovoltaicos instalados. Além das unidades consumidoras que geram energia, mais de 1 milhão de outras unidades beneficiam-se dos créditos de forma remota.

 

O avanço da GC de fonte solar no Brasil se deu “mesmo em cenários de preços muito baixos”.


Em 2023, os grandes parques solares incorporaram 4 GW à matriz elétrica nacional, frente a 2,8 GW em 2022.


O ano encerrou com capacidade instalada acumulada de 11,4 GW de potência solar fotovoltaica centralizada e 7 GW de usinas solares em construção que devem entrar em operação ao longo de 2024 e 2025.

 

Atualmente, a energia solar fotovoltaica conta no País com mais de 38 GW operacionais (geração distribuída + geração centralizada), o que representa pouco mais de 16,5% da matriz elétrica nacional.


Fonte Fotovolt

 

 

Comments


bottom of page