top of page

GD remota vai atrair R$ 10 bilhões em investimentos até 2025

A conclusão é de estudo da Greener, que aponta adição superior a 3 GW no período.

  

Em ritmo acelerado de crescimento, o segmento de usinas solares de geração distribuída remota, de porte até 5 MW, deve movimentar mais de R$ 10 bilhões em investimentos nos próximos dois anos, aponta o novo .


Imagem: Divulgação



“Estudo Estratégico da GD Remota”, da consultoria Greener. Esse montante a ser investido equivale a um acréscimo superior a 3 GW em novas instalações implementadas em 2024 e em parte de 2025.

 

Atualmente, as usinas voltadas para geração compartilhada, em cooperativa, consórcios ou por meio de assinatura, e de autoconsumo remoto, com mesmo CNPJ ou CPF em unidades consumidoras na mesma distribuidora, acumulam 4,2 GW operacionais e em construção.


Isso apenas desde o início da modalidade até setembro de 2023. Esse novo patamar representa salto de mais de 54% sobre os 2,3 GW registrados em 2022 também por levantamento da Greener.

 

De acordo com o estudo, o avanço se funda principalmente na contratação do setor de varejo pela geração compartilhada, com destaque redes de farmácias e supermercados, que respondem por 43% da demanda.


Em seguida, o setor de serviços aparece como o mais importante, com 35% da demanda, incluindo aí desde bancos até empresas gestoras de GD, que criam plataformas para “negociar” assinaturas de consumo.

 

Já quanto aos perfis dos clientes, as pessoas físicas representam 16% do total. Trata-se de crescimento relevante nesta última pesquisa, já que na anterior esses consumidores chegaram a 7% do montante final consumido nas modalidades.


Dentre os estados mais citados com usinas em operação e/ou construção, destacam-se Minas Gerais (11%), Goiás (8%) e São Paulo (7%).


Em desenvolvimento e/ou prospecção de novos projetos, os estados mais citados foram São Paulo (9%), Ceará (8%), Mato Grosso (7%) e Bahia (7%).

 

Em consulta a 36 empresas que participaram da pesquisa entre outubro e novembro deste ano, de acordo com a Greener, o principal desafio encontrado, para 67% das entrevistadas, foi a conexão à rede.


Como maneira de resolver esse imbróglio, o estudo chegou à conclusão que será necessário criar plano de ação com as distribuidoras.


Outro ponto de preocupação identificado é a dificuldade no financiamento, principalmente por conta dos juros altos.

 

Chama a atenção no estudo também o maior interesse dos investidores em implantar usinas de geração compartilhada.


No mapeamento, 92% dos entrevistados atuam nessa área (e também no autoconsumo remoto), enquanto 36% apenas focam no autoconsumo remoto, o que demonstra o interesse crescente na oferta da geração compartilhada, o que é notado nos últimos três anos, aponta a Greener.

 

O estudo “GD Remota 2023” pode ser baixado gratuitamente no site da Greener: https://www.greener.com.br/estudo/estudo-gdr2023/


Fonte: Fotovolt

 

bottom of page