top of page

Com COP 30, ABGD quer impulsionar GD renovável na região Norte

Ainda há 1 milhão de pessoas vivendo em comunidades isoladas na região, atendidas com pequenos grupos geradores a diesel.

  

Com o objetivo de acelerar a ampliação do uso de fontes renováveis na geração de energia na Amazônia Legal, a ABGD - Associação Brasileira de Geração Distribuída apresentou recentemente, em um encontro realizado com a imprensa em São Paulo, um panorama atual e sugestões para o futuro da transição energética na região.


Imagem: Divulgação


Um dos impulsionadores das mudanças é a realização da COP 30, em 2025, na cidade de Belém do Pará.


Atualmente, diversas comunidades na Amazônia Legal dependem de combustíveis fósseis, sendo o sistema isolado (Sisol) da região Norte um grande consumidor de diesel.


Segundo Aurelio de Andrade Souza, conselheiro e diretor de projetos especiais da ABGD, a estimativa é de que em 2024 o Sisol consuma 1,6 bilhão de litros de diesel, com projeção de despesas de R$ 11,95 bilhões, provenientes da CCC - Conta de Consumo de Combustíveis.


“A COP é uma oportunidade de apresentarmos nosso portfólio de soluções e parcerias e de articulação política para alavancar negócios de forma sustentável”, disse.

 

Durante o evento, foram citadas diversas ações realizadas pela entidade na região Norte, como a capacitação e treinamento de técnicos e consumidores de energia no âmbito do projeto “Road Show ABGD Huawei Solar”.


A produção do “Guia de Mobilidade Elétrica Fluvial para Amazônia Legal” lançado em evento no ano passado, e participações em eventos técnicos e diversas ações de articulação com o poder público e privado, ONGs, etc. para promoção de políticas públicas favoráveis para energia limpa e renovável.

 

De acordo com a entidade, a cidade de Belém do Pará necessitará de grandes investimentos nos setores de infraestrutura para receber a COP30, incluindo logística terrestre e fluvial, mobilidade sustentável, construção, acesso à energia limpa e renovável, gestão de resíduos, inclusão social, treinamento e formação de mão de obra, dentre outras ações.


Para Souza, a realização dos projetos depende de articulação política. “A ABGD quer montar uma agenda com o governo do Estado para acelerar projetos sustentáveis, como instalação de SIGFIs [Sistema Individual de Geração de Energia Elétrica com Fonte Intermitente], hibridização de sistemas e construção de um barco escola, movido a energia solar, para treinamento e capacitação, entre outras iniciativas”.


Segundo o conselheiro da ABGD, os recursos devem ser concedidos pelo governo federal, que projeta investir R$ 5 bilhões no estado que vai sediar a COP.


“Mas não basta orçamento, é preciso desenvolver, chegar com boas ideias e fazer essa articulação”, conclui.

 

A associação acredita que o aumento da participação de fontes renováveis na matriz energética dos sistemas isolados e isolados remotos (off-grid) é uma tendência, embora, de acordo com Carlos Evangelista, presidente da ABGD, a substituição de fontes fósseis pelas renováveis encontre muita resistência por parte dos produtores de diesel.


“Pode-se colocar um banco de baterias junto ao gerador a diesel, acopla-lo com energia solar e reduzir até 40% o consumo do diesel.


Então, é uma forma de ampliar a geração distribuída renovável na Amazônia e reduzir as emissões”, disse Souza.


Ainda segundo ele, a transição energética deve ser justa e inclusiva, incluindo as populações tradicionais da floresta que ocupam áreas estratégicas e ajudam na conservação do bioma da Amazônia.

 

Atualmente, o estado do Pará conta com quase 73 mil sistemas de geração distribuída instalados, totalizando 826,25 MWP de capacidade instalada e investimentos da ordem de R$ 3,5 bilhões na última década.


Dados apontam que há cerca de 1 milhão de pessoas sem acesso à energia moderna, vivendo em comunidades isoladas e remotas na região Norte, atendidas com pequenos grupos geradores movidos a diesel.


Fonte: Fotovolt

 

 

Comments


bottom of page