top of page

BNDES desembolsa R$ 2,18 bi para complexo solar Vista Alegre

Projeto de usina de 902 MWp em Minas Gerais é uma sociedade entre a Atlas e a Albras.

O BNDES aprovou financiamento de US$ 447,8 milhões (R$ 2,18 bilhões, na cotação atual) para implantação do complexo solar Vista Alegre, com capacidade instalada de 902 MWp, que está em implantação no município de Janaúba, em Minas Gerais.


Imagem: Divulgação


Formado por 18 usinas solares fotovoltaicas, com sistema de transmissão associado, o complexo é da Atlas Renewable Energy, que ergue o projeto para atender contrato de compra de energia (PPA, na sigla em inglês) com a produtora de alumínio Albras.


A Albras está no empreendimento como sócia-autoprodutora, com participação minoritária de 5,7% no capital de Vista Alegre.


O PPA atrelado a dólar garantirá energia por 21 anos à indústria de alumínio. O complexo solar deve produzir 200 MW médios ou 2 TWh anuais, suficiente para atender 3 milhões de pessoas e que evitam a emissão de 2,4 milhões de toneladas de CO2 durante o período de operação, contribuindo com as metas de descarbonização da Albras. A previsão é a de que o projeto entre em operação até 2025.


Trata-se do segundo financiamento do BNDES para a parceria entre a Atlas e a Albras. O primeiro foi para a UFV Boa Sorte, em Paracatu (MG), com valor de US$ 210 milhões, também indexado na moeda estrangeira e anunciado em janeiro deste ano.


A usina terá capacidade instalada de 438 MW, que devem gerar 815 GWh anuais. O PPA de 20 anos deve garantir 12% do consumo anual de energia da Albras.


A participação do financiamento do BNDES no projeto da Vista Alegre Comercializadora de Energia, a empresa fruto da parceria entre Atlas e Albras, é de cerca de 68% do investimento total, de R$ 3,2 bilhões.


A previsão é de que sejam gerados 2,5 mil empregos na fase de implantação do complexo e 20 postos de trabalho após sua conclusão.


O apoio do BNDES à iniciativa foi estruturado como project finance, modelo em que as garantias são o próprio ativo e o fluxo de caixa do empreendimento.


Fonte: Fotovolt

bottom of page